ProFuturo celebra três anos de compromisso com a educação digital

18 de julho de 2019

Programa que oferece educação digital de qualidade alcança 28 países na América Latina, África e Ásia e tem o objetivo de beneficiar 25 milhões de crianças até 2030.


Lançado em julho de 2016 pela Fundação Telefônica Espanha e a Fundação Bancária “la Caixa” com o objetivo de reduzir a lacuna educacional e digital no mundo por meio da tecnologia, o ProFuturo completa três anos com 8,2 milhões de crianças beneficiadas em 3.447 escolas de 28 países, segundo dados auditados de 2018.

No período, capacitou 300 mil professores com ajuda de governos e parceiros locais, garantindo a escalabilidade e sustentabilidade do programa, presente em três continentes e que visa chegar a 25 milhões de crianças até 2030.

Após um primeiro projeto piloto em Angola, o ProFuturo começou a se espalhar pela África e América Latina, chegando à Ásia em 2017.

Em 2018, foi assinado um acordo com a Organização dos Estados Americanos (OEA) para estender o programa a cinco países do Caribe: Bahamas, Barbados, Belize, Jamaica e Guiana.

“Nestes três anos, temos trabalhado incansavelmente para trazer a educação de qualidade para lugares mais remotos do planeta e assegurar que nenhuma criança seja deixada para trás, explica César Alierta Izuel, presidente do ProFuturo e da Fundação Telefônica.

Como um dos maiores programas de educação digital do mundo, o ProFuturo contribui para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, mais especificamente com o ODS 4, que defende o acesso a uma educação de qualidade, equitativa e inclusiva para todos.

Por isso, tem uma proposta educacional integral. Inclui, como peça fundamental, a formação de professores e, ao mesmo tempo, promove a aprendizagem de crianças em idade escolar a partir de experiências digitais inovadoras. O modelo pedagógico é personalizável, pode ser implementado em qualquer ambiente, mesmo sem conectividade, e se adapta a cada centro e país de acordo com suas necessidades educacionais e tecnológicas.

Trabalha com ferramentas pioneiras de análise de aprendizagem baseadas em algoritmos e big data, que permitem tomar decisões sobre a evolução do conteúdo, metodologias e implantação operacional. Além disso, oferece ao professor aplicativos adicionais para personalizar a educação de seus alunos.

Isidro Fainé Casas, vice-presidente do ProFuturo e presidente da Fundação Bancária “la Caixa”, relata que “o programa ajudou a quebrar o fosso digital e marcou um antes e um depois na vida de muitas crianças e jovens. Vamos continuar apostando em tecnologia e educação para abrir as portas para novas oportunidades”.

 

Alianças e posicionamento no Brasil

Para garantir a sustentabilidade do programa e o empoderamento das comunidades onde atua, o Profuturo expandiu sua rede de parcerias com os governos nacionais e locais.

No Brasil, o ProFuturo está representado pelo projeto Aula Digital, lançado em 2017 e hoje com atuação em 5 territórios: Manaus (AM), 46 municípios do Estado de Sergipe, Viamão (RS), Goiânia (GO) e Vitória de Santo Antão (PE). São cerca de 1.000 escolas municipais e estaduais, 200 mil estudantes e 7 mil educadores beneficiados.

Cinco alunos de projetos que integram o programa ProFuturo estão sorrindo, sentados em torno de uma mesa e erguendo tablets em suas mãos.

 

Outra iniciativa do ProFuturo é o Desafio Inova Escola, que fomenta a cultura colaborativa de processos inovadores na Educação Básica Brasileira. Grupos de educadores de todo Brasil podem se inscrever e participar de trilhas formativas online para a construção de um plano de inovação. As inscrições vão até dia 19/08 pelo site desafioinovaescola.org.br.

“A ideia é levar para nossas crianças e professores a possibilidade de potencializar o que já fazem em sala de aula. A tecnologia torna o papel do professor ainda mais relevante”, resume Americo Mattar, diretor-presidente da Fundação Telefônica Vivo.

 

Relevância internacional

Desde a sua criação, o ProFuturo se posiciona na vanguarda internacional e contribui para eventos de referência em educação, tecnologia e inovação. Em 2017, o programa foi apresentado na sede das Nações Unidas, em Nova York (EUA).

Em março deste ano, em colaboração com a UNESCO, co-organizou a mais importante conferência internacional sobre o uso da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) na educação, a Semana de Aprendizagem Móvel (MLW, em inglês), e apresentou um Documento de Referência sobre os desafios e as oportunidades da aplicação da Inteligência Artificial.

“Nestes três anos, viajamos muitos quilômetros para levar a educação aos cantos mais vulneráveis do mundo. Estamos muito satisfeitos com o trabalho realizado, e esse orgulho nos impulsiona a continuar trabalhando para reduzir o déficit educacional e alcançar 10 milhões de crianças em 2020”, afirma Magdalena Brier, diretora-geral do ProFuturo.

Aluna de projeto que integra o programa ProFuturoestá de perfil, olhando para tela de um dispositivo móvel em sala de aula.


Deixe uma resposta aqui