Quando a escola une a comunidade

Após formação da Fundação Telefônica Vivo, Maria da Conceição Meiras dos Santos Filha engajou a comunidade para reforma da escola e desenvolveu um projeto para explorar espaços diferenciados de aprendizagem

Gestora Conceição sorri para a câmera sentada em sua mesa. Ela usa blusa azul onde se lê: “Quem educa é pai e mãe”.

Nome: Maria da Conceição Santos Filha | Escola: Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida | Projeto: Aula Digital

Educadora há 30 anos, Maria da Conceição Meiras dos Santos Filha, não imaginava que um dia se tornaria gestora de uma escola no município de Laranjeiras, Sergipe, local onde nasceu e foi criada.

A professora de 54 anos entrou na área da educação porque a mãe acreditava que o curso de Pedagogia “lhe abriria portas”. Desde então, passou pelo ensino fundamental e infantil e deu aula para crianças de creche e pré-escola.  Há um ano e meio, ela aceitou o desafio de assumir a gestão da Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida, localizada no povoado de Camaratuba, em Laranjeiras.

“Tudo foi muito novo para mim. Descobri que gerir uma escola é bem diferente do que estar em sala de aula”, afirma.

Dentre as novidades que cruzaram o caminho da educadora, as formações do projeto Aula Digital, da Fundação Telefônica Vivo, lhe ajudaram a ter um novo olhar para a profissão.

“Hoje estou mais confiante de que a educação pode e vai ser melhorada. Basta fazermos a nossa parte com entusiasmo, dedicação e com um olhar diferente, acreditando que tudo vai dar certo”

A união faz a força

O caminho até a Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida é feito por uma estrada de terra no meio dos canaviais. Maria da Conceição acredita que o difícil acesso é um dos motivos pelos quais a escola fica mais isolada e aproveita para destacar a importância do Projeto Aula Digital nesse sentido.

“De todos os projetos que apareceram na escola, esse é meu preferido. Muitas iniciativas não chegam até a nossa comunidade por conta da distância e o Aula Digital foi ao nosso encontro”, afirma.

Para a educadora, mesmo com poucos recursos, a escola é um dos únicos lugares onde as famílias podem se reunir e participar de atividades em prol dos estudantes.

Pensando nisso, ela engajou a todos em uma reforma. Pais, professores e moradores da região colocaram piso nas salas de aula, além de plantarem um jardim na fachada da instituição. “A escola não anda apenas com a gestão, mas com o trabalho conjunto de toda a comunidade. A experiência nos colocou em uma só sintonia e favoreceu o aprendizado dos alunos”, relata.

Seguindo a ideia de romper as barreiras e explorar espaços diferenciados de aprendizagem, a gestora ainda desenvolveu um projeto que levou os alunos a vivenciarem de perto o processo de plantação de cana, principal atividade econômica do povoado.

Todas essas mudanças ocorreram com um olhar de inovação na educação, sem depender somente do uso da tecnologia.

“Os professores não veem a hora de colocar em prática tudo o que aprenderam e verem os alunos em contato com a tecnologia. Pudemos renovar nossos pensamentos e expectativas. Só de pensar na nova fase, já me sinto motivada”.
, concluiu.

Atuação em Sergipe

Iniciativa global da Fundação Telefônica e Fundação Bancária “La Caixa”, que visa melhorar as oportunidades das crianças na África, Ásia e América Latina, incorporando a inovação nas escolas por meio da tecnologia e de novas metodologias de ensino e aprendizagem, o Projeto Aula Digital chegou a Sergipe em 2017 devido a uma parceria com o Governo do Estado. Entre os assuntos trabalhados nas formações ministradas pelo Instituto Paramitas, parceiro executor do projeto no Sergipe, estão temas ligados à inovação educativa, visando ampliação do repertório e inspirações para novas experiências educacionais.

Conheça outras histórias