20 de junho, Dia Mundial do Refugiado

20 de junho de 2018

Conheça iniciativas no Brasil e no mundo que buscam mudar realidades de quem está fora de sua terra natal

Imagem mostra pessoas em volta de uma mesa em projeto com refugiados. Há na imagem a frase Dia Mundial do Refugiado

Dia 20 de junho é o Dia Mundial do Refugiado. Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para os refugiados, 68,5 milhões de pessoas hoje estão deslocadas de seus lares, vítimas de conflitos, perseguição, violência e desastres naturais.

“Hoje é um dia para mostrar a nossa solidariedade com os refugiados e com as comunidades que os acolhem. Um novo modelo baseado em equidade e justiça, bem como em valores e padrões humanitários, está sendo testado e produzindo resultados positivos”, disse em nota Filippo Grandi, Alto Comissário da ONU para Refugiados.

Veja a seguir como iniciativas no Brasil e no mundo buscam mudar realidades de quem está fora de sua terra natal, transformando um novo país em suas casas:

 

Iniciativa integra estudantes brasileiros e bolivianos

Imagem mostra crianças que participam de iniciativa queintegra estudantes brasileiros e bolivianos

Identificando a segregação, estudantes  da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Dom Infante Henrique, no Canindé, na região central de São Paulo sugeriram um projeto para combater o preconceito e promover a integração entre os alunos brasileiros e bolivianos.

 

Projeto ensina programação para refugiados na Holanda

Imagem mostra pessoas em volta de uma mesa em projeto ensina programação para refugiados na Holanda

Hack your Future é um projeto que nasceu em 2016 na Holanda e que busca proporcionar novas oportunidades de vida a quem chega ao país.

 

O voluntariado como ponte entre o refugiado e seu novo país

Imagem mostra pessoas em sentadas em roda em projeto sobre voluntariado como ponte entre o refugiado e seu novo país

Para tornar a cidade mais afetuosa ao cidadão recém-chegado, o voluntário local se torna uma espécie de ponte entre as duas realidades. Com uma rede de 200 pessoas, o Adus oferece diversos serviços para integrar não somente o refugiado como também o estrangeiro que esteja com dificuldade de adaptação.

 

O empreendedorismo social como uma alternativa para refugiados no Brasil

Imagem mostra pessoas em em pé  conversando

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), em parceria com o Comitê Nacional para os Refugiados e outros órgãos de integração criaram o projeto Refugiado Empreendedor. No final de 2017, duas turmas se formaram.

Leia também:



Deixe uma resposta aqui