Como a cultura maker e a tecnologia podem deixar a cidade mais humana

27 de setembro de 2019

Com o objetivo de discutir caminhos para uma cidade inteligente e acolhedora, SP Maker Week chega a 3ª edição com mais de 250 horas de programação gratuita


Começou a 3ª edição do SP Maker Week, que reúne atividades e discussões sobre tecnologia e cultura maker orientadas para tornar a cidade mais inteligente e humana.  Dessa vez, o evento acontece na Biblioteca Mário de Andrade, na região central de São Paulo.

Serão quatro dias intensos com mais de 250 horas de programação gratuita, entre palestras, painéis, exposições e, claro, muita mão na massa. A iniciativa é da Fab Lab Livre SP – rede de laboratórios públicos de tecnologia, criatividade e inovação – resultado de uma parceria entre a Prefeitura de São Paulo e o Instituto de Tecnologia Social.

“Uma cidade inteligente é aquela na qual a gente usa inovação e tecnologia como meios para melhorar a vida das pessoas, reduzir desigualdades e transformar a gestão da prefeitura para atender o cidadão”, declarou na abertura do evento Marianna Sampaio, secretária adjunta da Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia.

 

Trilhas de conhecimento

A programação está dividida em cinco trilhas de conhecimento, cada uma delas voltada para um tipo de público. A Trilha Educadores discute práticas voltadas a educadores sociais e professores; aTrilha Fazedores é dedicada ao mundo maker e à cultura digital; aTrilhafaBrincando cria ambientes para pais e filhos construírem projetos juntos; na Trilha Futuro do Trabalho, as discussões giram em torno da 4ª Revolução Industrial; já a Trilha Fabricando Cidades traz para o foco a transformação da cidade.

Ciência, tecnologia e empreendedorismo são temas abordados em todas as trilhas. Durante um dos painéis de abertura, Guilherme Rosso, CEO da Emerge, discutiu as conversões entre pesquisa científica e atividade empreendedora.

“A ciência transforma vidas e eleva o nível social de qualquer país a partir de várias coisas, como comunicação a rádio, transportes eficientes, novos combustíveis, roupas e até alimentação. Mas, a gente precisa de empreendedores que façam essa ponte e levem serviços e produtos para a sociedade”, defende ele.

Com uma plateia de jovens do ensino médio, o empreendedor carioca Vinicius Machado, cofundador da Startadora e embaixador da Campus Party Brasil, subiu ao palco para defender que todos podem empreender e inovar a partir de tecnologias simples que estão ao alcance das mãos, como os smartphones.

 

“Lembrem-se que inovação não é ter a ideia mais incrível de todas e não envolve só tecnologia. Inovar é simplesmente resolver problemas antigos ou atuais de uma forma nova, e para isso é preciso ter criatividade sem medo”, declarou.

 

Inclusão na cidade e na escola

A expectativa é que mais de duas mil pessoas de todas as idades passem pelo evento até o encerramento, no próximo sábado, 28 de setembro. Além de palestras, os visitantes podem conferir exposições de trabalhos de destaque desenvolvidos ao longo do ano pelos usuários do Fab Lab Livre SP.

As oficinas “mão na massa” focam em fabricação digital e inclusiva, como explica um dos coordenadores do evento Ronei Santos, que também é orientador do Fab Lab Livre. “Neste ano, estamos focando em acessibilidade e inclusão digital. A ideia é que pessoas com deficiência, e a população de maneira geral, consigam aprender e discutir propostas para a cidade a partir de espaços com tecnologia e inovação”.

Inclusão na escola também está sendo discutida em diversas atividades do evento. Em uma das palestras de abertura, Luiz Henrique Conceição, do Instituto Rodrigo Mendes, apresentou a plataforma Diversa, que reúne mais de 40 materiais e metodologias de ensino gratuitas voltadas para inclusão.

Ele apresentou à plateia o quebra-cabeça 3D criado para ajudar uma professora de geografia a ensinar placas tectônicas para sua turma de ensino fundamental. “Ela tinha uma aluna com deficiência visual, mas percebia que toda a turma tinha dificuldades com o conteúdo. O material ajudou a todos”, diz Luiz. “Nossa ideia é que os educadores de São Paulo usem os laboratórios gratuitos digitais para encontrar soluções para um ensino mais inclusivo e significativo”, finaliza.

O que ainda vem por aí

Confira abaixo alguns destaques previstos na programação.


Sábado, 28/09

Oficina: O Futuro Chegou

Trilha Educadores

O Centro de Integração e Desenvolvimento Sustentável (CIEDs) promove uma oficina que ajuda a inovar na educação a partir de desafios sociais contemporâneos. Para isso, apresenta a futurologia como ferramenta para o planejamento estratégico.

 

Painel: Como usar tecnologia para reduzir desigualdades

Trilha Educadores

A discussão sobre a tecnologia como catalisadora do desenvolvimento humano será conduzida por Diogo Rodrigues Lima, da Prefeitura de Campos Goitacazes, Vilma Roberto, do PRONAS, e pelo Prof. Dr. Paulo Eduardo Fonseca, da USP.

 

Workshop Programaê

Trilha Fazedores

Promovida pela Fundação Telefônica Vivo, a oficina visa a introdução da linguagem de programação e do pensamento computacional nas práticas pedagógicas.

Para ver a programação completa de tudo o que rolou no evento, acesse o site oficial do SP Maker Week 2019.



Deixe uma resposta aqui