Escolas municipais de Goiânia recebem equipamentos tecnológicos do Aula Digital

27 de fevereiro de 2020

Após formação de professores, a cidade é a primeira da região Centro-Oeste a receber as maletas do Aula Digital para serem utilizadas em escolas da rede pública


O clima de euforia toma conta dos estudantes do 2º e 4º ano da Escola Municipal Benedito Soares de Castro, em Goiânia (GO). Pela primeira vez, eles se preparam para usar os tablets que passarão a integrar boa parte de suas aulas. “Professora, todo mundo vai receber?”, pergunta um. “A gente vai usar todo dia?”, emenda outro.

Além de Goiânia, o projeto Aula Digital também esta presente em Manaus – AM (265 escolas), Sergipe – SE (581 escolas), Vitória de Santo Antão – PE (27 escolas) e Viamão – RS (57 escolas). São mais de 211 mil alunos brasileiros e quase 8 mil educadores atendidos.

A professora Cida Azevedo responde as dúvidas, explica o passo a passo para se conectar e logo todas as crianças começam a fazer as atividades propostas, dividindo com os colegas o prazer de usar na escola uma ferramenta que já faz parte do dia a dia para alguns deles e para outros, é novidade.

Os estudantes são parte dos cerca de 27 mil alunos da rede municipal de Goiânia que começam agora a trabalhar com os kits tecnológicos que integram o projeto de inovação educativa Aula Digital. A iniciativa faz parte do ProFuturo, programa global da Fundação Telefônica Vivo e da Fundação “la Caixa” voltado para a redução das desigualdades educacionais de crianças e jovens em todo o mundo.

Goiânia é a primeira cidade da região Centro-Oeste a integrar a iniciativa, que começou a ser executada em 2019, fruto de uma parceria com a prefeitura municipal com 100 escolas. Agora, em 2020, o projeto será expandido para mais 70 escolas, totalizando 170, beneficiando mais de 40 mil alunos e 1.190 educadores da região.

 

O principal da inovação são as pessoas

Oferecer tecnologia para inspirar novas práticas e metodologias de ensino é um dos pilares do Aula Digital. Por isso, as maletas com os kits entregues nas escolas contêm notebook roteador e tablets com conteúdos pedagógicos digitais alinhados à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), sem a necessidade de acesso à internet.

Mas as maletas são apenas uma parte do projeto. A primeira etapa começou com a formação de professores, que aprendem a incorporar a inovação educativa no dia a dia escolar, traçam planos de ação para inovar de diferentes formas em suas práticas pedagógicas e têm a possibilidade de personalizar conteúdos de acordo com as necessidades de seus alunos.

A partir da formação, os educadores da Escola Municipal Benedito Soares de Castro, por exemplo, recriaram a horta da escola pensando em espaços diferenciados de aprendizagem. Também usaram xadrez e capoeira para começar a trabalhar alguns conteúdos que serão aprofundados com os tablets, nas aulas de matemática e de história e cultura brasileira.

“O Aula Digital é tudo o que eu precisava”, diz a professora de leitura e texto Cida Azevedo, que dá aula para a turma de Arthur e Gabriela. Aos 63 anos de idade, ela está sempre com seu computador para deixar as aulas mais dinâmicas. “Tem um mundo de coisas acontecendo e nós não podemos mais ficar fechados aqui na sala de aula. Mas antes, como era só um computador, eu sentia que eles não aproveitavam tanto. Agora com os tablets, meus alunos serão protagonistas em sua busca pelo conhecimento”.

Para manter o engajamento de alunos e professores com o projeto, é preciso uma gestão que se preocupe em apoiar a inovação educativa. “Nosso grupo se envolve muito com o diagnóstico de problemas e a busca por soluções. Isso acontece porque prezamos pelo diálogo e pelo trabalho conjunto”, define a diretora Lívia Mara de Souza Araújo.

 

Goiânia em busca da escola do futuro

O engajamento e a força do grupo é característica de toda a rede municipal de Goiânia, que há algum tempo aposta em estratégias que modernizem a escola e despertem o interesse dos estudantes pelo aprendizado.

“Para ser estimulante, a escola precisa ser desafiadora. Por isso, começamos a agregar diversas estratégias nessa direção, como robótica, jogos e metodologias inovadoras. O Aula Digital se soma a esse nosso sonho de uma escola do futuro, que ainda não existe, mas que é construída por todos nós todos os dias”, afirmou o secretário de educação Marcelo Ferreira da Costa.

Agora em fevereiro, mais de 400 dirigentes e educadores estiveram presentes no evento que celebrou, no auditório do Tribunal de Contas de Goiás, o início da segunda etapa do projeto: a chegada dos kits tecnológicos nas escolas e a expansão para novas escolas da rede.

Além do secretário de Educação, participou também do evento o prefeito Iris Rezende, que aproveitou para conhecer melhor as maletas do projeto. “Quem se dedica à educação são pessoas especiais. Eu me emociono de ver o tanto de gente boa preocupada em melhorar a educação para nossas crianças”, declarou.

Em Goiânia, o parceiro-executor do projeto Aula Digital é o Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (CIEDS) e é a própria Secretaria de Educação e Esporte (SME) que atua diretamente na formação e acompanhamento dos professores. Em 2020, o número de profissionais envolvidos deve triplicar.

“Isso é nosso sonho, porque é esse envolvimento direto que ajuda a manter o projeto sustentável. Quando ocorre a apropriação por parte da rede de ensino, a possibilidade de conexão da nova tecnologia com os projetos que já existem é muito maior, e para nós, é o melhor dos mundos. E é somente a própria Secretaria de Educação que consegue fazer estas amarrações. É um modelo que espero que a gente consiga expandir e replicar para outros territórios”, explica o gerente de Programas Sociais da Fundação Telefônica Vivo, Rubem Saldanha.



Deixe uma resposta aqui