Formação de professores em Angola mostra a potência da inovação educativa

03 de setembro de 2019

Com foco em professores primários, projeto de formação do país africano traz metodologias lúdicas e dinâmicas para melhorar o ensino e a aprendizagem


A formação de professores é uma das ações fundamentais para melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem, principalmente diante de uma realidade que demanda aos educadores trabalhar cada vez mais o conceito de inovação educativa. Um dos exemplos de investimento na capacitação de professores em novas práticas pedagógicas está no Programa CAPPRI, colocado em ação em Angola.

Sigla para Capacitação para Professores Primários, a iniciativa é realizada pelo Ministério da Educação do país africano em parceria com a The Bridge Global, consultoria que atua na área de responsabilidade social, educação e cidadania. A implementação do CAPPRI é nacional e já chegou a 382 escolas, 5.276 professores e mais de 210 mil alunos, de acordo com o porta-voz do projeto no Ministério da Educação, Doutor Gola António.

Para ele, “é importante focar na capacitação do professor primário por ser o fundamento para o sistema de Ensino Geral. Logo, há a necessidade de o professor primário ser alguém bem preparado para garantir que as crianças tenham bases sólidas para estar no sistema educacional, do ensino secundário até a Universidade”.

António complementa afirmando que os professores primários atuam numa fase cognitiva importante da vida, na qual “se projeta o futuro e quando o ser humano se apresenta de forma integral para o aprendizado. O professor, na qualidade de orientador, fica marcado para sempre na vida das crianças, daí a razão de agir com sabedoria e conhecimento científico nessa fase para tornar a sociedade saudável e produtiva”, finaliza o porta-voz.

A metodologia pedagógica se apresenta aos professores como uma forma de “ensinar a ensinar”. O principal objetivo da formação de professores é facilitar o trabalho, tornando inovador, e gerar maior apelo junto aos alunos, melhorando a aprendizagem.

 

Ludicidade na formação de professores

Dr. Gola António explica que atividades lúdicas ajudam muito os professores a ensinar. “Várias correntes pedagógicas, com destaque a Paulo Freire, orientam uma educação significativa, pois as aulas puramente expositivas adormecem o aluno e não despertam a sua atenção”. Já ser disruptivo permite às crianças aprender “melhor e mais rápido, quando vão do concreto ao abstrato, quando brincam e ao mesmo tempo aprendem”, complementa.

Dessa forma, o programa tem três principais eixos: Língua Portuguesa, Matemática e Esportes, Arte e Cultura, que constituem a base do ensino primário em Angola. O CAPPRI disponibiliza guia pedagógico, materiais, formação de professores, feiras de boas práticas e outras ações executadas em diferentes fases.

O professor Vitorino Mateus afirma que o programa é importante para fazer dos educadores irem além de apenas repassar os conteúdos. “Veio para elevar a figura do professor, deixando de ser mero transmissor de conhecimento, passando a ser parte integrante e eficaz na formação dos alunos”, afirma. “As aulas tornam-se melhores  através da implementação de jogos educativos e brincadeiras, visto que as crianças aprendem com mais facilidade por meio desses métodos”.

Entre as possibilidades apresentadas aos educadores durante as formações, estão jogos, trava-línguas, canções, trabalhos em equipe e outras práticas lúdicas e dinâmicas. Em uma das dinâmicas, por exemplo, formadores do programa ensinam uma técnica para facilitar a memorização de pronomes e conjugação de verbos.
Nesta atividade, os alunos fizeram representações em cartolina de animais e perguntas sobre cada representação, trabalhando Arte, Biologia, Comunicação e senso coletivo em uma só prática:

Aqui, com rolo de papel higiênico e cola, é possível ensinar divisão silábica:

 

Já este jogo ensina os conjuntos numéricos por meio do trabalho em grupo:



Deixe uma resposta aqui