Iniciativa une empreendedorismo social e voluntariado nas ETECs

31 de maio de 2017
pense_grande_ETCs_736x341

Encontro reuniu voluntários da Telefônica Vivo e jovens de escolas técnicas de São Paulo

Incentivar o empreendedorismo social de jovens da periferia por meio de experiências que aliem teoria e prática tem sido uma das premissas da Fundação Telefônica Vivo com o Programa Pense Grande realizado dentro das ETECs (Escolas Técnicas Estaduais) de São Paulo. Neste ano, a iniciativa ganhou um reforço especial para que os estudantes possam desenvolver suas competências e realizar projetos empreendedores.

Pela primeira vez, a Fundação, que é o braço social da Telefônica Vivo, une seu programa de voluntariado com de empreendedorismo social. Assim, colaboradores de diversas áreas da empresa estão recebendo formações para serem mentores voluntários, e semanalmente participam de treinamentos sobre as ferramentas aplicadas nas oficinas com os jovens das ETECs participantes.

“Sempre participei do Dia dos Voluntários, mas sentia falta de uma atividade na que eu pudesse me envolver de maneira mais integrada. Quando apareceu a oportunidade de me inscrever no Programa, meu olho brilhou. Estar com estes jovens é uma experiência incrível e um enorme aprendizado”, conta uma das voluntárias, Suelen Pereira de Carvalho, que trabalha na área de produtos para TV da Telefônica Vivo.

Equipe de voluntários colaboradores da Telefônica Vivo
Equipe de voluntários colaboradores da Telefônica Vivo

 

Encontro

No último final de semana de maio, a iniciativa contou com um encontro especial. Cerca de 90 jovens de três ETECs participantes do programa – Abdias do Nascimento  (Paraisópolis, zona sul), Tereza Aparecida Cardoso Nunes de Oliveira (Arthur Alvim, zona leste) e Jorge Street (São Caetano, Grande SP) – se reuniram para um momento de integração, troca de experiências e atividades em conjunto realizadas na unidade de Paraisópolis.

A expectativa de encontrar pela primeira vez jovens de outras ETECs era visível nos alunos, e os momentos de timidez inicial logo foram substituídos por conversas animadas e troca de experiências entre os estudantes.

“Estou achando este momento muito interessante. A nossa unidade fica na zona leste e hoje estamos trocando informações com escolas de outra região, conhecendo pessoas novas e aprendendo a nos comunicar melhor”, conta Igor da Silva, que está no primeiro ano de eletrônica na ETEC Tereza Nunes.

Para o diretor da Abdias do Nascimento, Renato de Melo Costa, a parceria que une o setor público com o privado é uma oportunidade para os jovens crescerem em diversos aspectos. “Tanto os coordenadores e professores, quanto os alunos, abraçaram a parceria, que só veio para somar com a nossa filosofia de formar cidadãos preparados para o mercado de trabalho e ao mesmo tempo conscientes no âmbito profissional e pessoal”.

pense_grande_ETCs_interna_2

Além das atividades programadas para o desenvolvimento dos projetos, os jovens conversaram com o subsecretário de Empreendedorismo do Estado de São Paulo, Roberto Sekya. “Empreender nem sempre é fácil, mas se vocês acreditarem no potencial do seu projeto e tiverem um propósito definido, poderão colocar suas ideias em prática e impactar positivamente suas comunidades” disse. “Invistam em vocês e não coloquem seus sonhos na mão de ninguém, a mudança que precisamos no país deve começar agora e vocês podem ser os responsáveis pela transformação”.

A fala do subsecretário inspirou jovens como Julia Medina, de 14 anos, que já atribuía sua participação no Programa Pense Grande a uma mudança de visão sobre o futuro. “Eu fui criada com pessoas me dizendo que precisava de ajuda para crescer na vida. Mas quando entrei aqui percebi que independentemente do apoio das pessoas, temos que correr atrás de nossos objetivos e sermos protagonistas do nosso próprio futuro”, conclui a jovem moradora da comunidade de Paraisópolis e aluna da ETEC Abdias do Nascimento.

“O Pense Grande nos ajuda a colocar nossas ideias no papel. Quanto mais atividades a gente faz, mais a gente agrega em nosso projeto e aprende como trabalhar”. Janequele Ferreira, estudante de 17 anos “Participar deixa nosso projeto mais palpável e mais próximo da gente. Aprendemos como apresentar nossas ideias para os outros por meio dos pitches, e isso foi muito bom”. Antonio Augusto, estudante de 16 anos “Para mim é uma experiência diferente e inovadora porque eu sou da Educação Jovens Adultos (EJA), e na minha época não existia esse tipo de programa. Participar com os jovens está sendo um ótimo aprendizado”. Elis Maria da Silva Pinheiro, estudante de 43 anos “Decidi participar como mentor porque acho importante oferecer este apoio para os jovens. Sem contar que ajudar o próximo é algo prazeroso e de grande satisfação pessoal”. Ricardo Araújo, voluntário Telefônica Vivo “Me inscrevi no programa porque no Brasil não existe uma cultura de empreendedorismo e um programa assim ajuda a mudar essa visão”. Gabriel da Silva, estudante de anos 14 “O Pense Grande nos ajuda a colocar nossas ideias no papel. Quanto mais atividades a gente faz, mais a gente agrega em nosso projeto e aprende como trabalhar”. Janequele Ferreira, estudante de 17 anos “Participar deixa nosso projeto mais palpável e mais próximo da gente. Aprendemos como apresentar nossas ideias para os outros por meio dos pitches, e isso foi muito bom”. Antonio Augusto, estudante de 16 anos “Para mim é uma experiência diferente e inovadora porque eu sou da Educação Jovens Adultos (EJA), e na minha época não existia esse tipo de programa. Participar com os jovens está sendo um ótimo aprendizado”. Elis Maria da Silva Pinheiro, estudante de 43 anos “Decidi participar como mentor porque acho importante oferecer este apoio para os jovens. Sem contar que ajudar o próximo é algo prazeroso e de grande satisfação pessoal”. Ricardo Araújo, voluntário Telefônica Vivo “Me inscrevi no programa porque no Brasil não existe uma cultura de empreendedorismo e um programa assim ajuda a mudar essa visão”. Gabriel da Silva, estudante de anos 14

Leia também:



Deixe uma resposta aqui