Reformas melhoram qualidade de vida de crianças com câncer em lar de Sergipe

05 de maio de 2017
Duas crianças sorrindo. Uma delas está com uma borboleta desenhada no rosto

Na segunda reportagem sobre o legado do Dia dos Voluntários, conheça a história de transformação da Avosos, instituição que há 30 anos cuida de crianças e jovens com câncer em Aracaju.

tag_DVTNo ano de 1982, uma dona de casa de Aracaju (SE) decidiu trabalhar como voluntária em um hospital próximo de sua residênciaO Dia dos Voluntários é um projeto global que envolve colaboradores de todas as empresas do Grupo Telefônica, mobilizando esforços e atuando em ações solidárias. No Brasil, a iniciativa contribui para a melhoria e desenvolvimento de ONGS e escolas beneficiadas pela Fundação Telefônica Vivo. . Periodicamente, ela visitava os pacientes internados no setor de oncologia para levar roupas, alimentos e palavras de conforto.

Cada vez mais sensibilizada com a causa, Maria Ruth Wynne Cardoso, a Tia Ruth, resolveu abrir as portas de sua própria casa para acomodar os pacientes que vinham do interior do estado e ficavam pelas ruas à espera de um leito no hospital.

Com a ajuda de novos voluntários e o apoio da comunidade, o espaço improvisado foi ganhando forma e a Casa da Tia Ruth deu origem à Avosos: Associação dos Voluntários a Serviço da Oncologia em Sergipe. A residência funcionou como sede informal da instituição até 1988, quando, após a doação de uma voluntária, a Avosos conquistou sua primeira sede oficial.

Hoje, Tia Ruth é a presidente de honra vitalícia da instituição, que passou a ocupar um complexo próprio em 2004, composto por uma casa de apoio e um centro de tratamento oncológico de mais de 500 m². O espaço oferece estadia, consultas médicas e tratamento de quimioterapia ambulatorial para pacientes com câncer por meio de convênios e cooperativas de saúde.

Oia Ruth (ao centro), resolveu abrir as portas de sua própria casa para acomodar os pacientes que vinham do interior do estado e ficavam pelas ruas à espera de um leito no hospital. Nascia assim a Avosos - Associação dos Voluntários a Serviço da Oncologia em Sergipe.
Tia Ruth (ao centro), abriu as portas de sua própria casa e criou a Avosos – Associação dos Voluntários a Serviço da Oncologia em Sergipe.

Parceria

Em 2013, a Avosos foi selecionada para participar do Dia dos Voluntários da Fundação Telefônica Vivo. Durante quatro anos de parceria, as ações promovidas pelo comitê voluntariado contribuíram diretamente com arrecadação de fundos para a ONG e melhorias no espaço, que hoje atende cerca de 400 crianças e jovens por ano.

“Crescemos como instituição, mas não esquecemos o lado humano, que é a alma do nosso trabalho”
Wilson Melo, presidente executivo da Avosos.

Uma das iniciativas de maior sucesso foi o Treino do Bem, uma manhã repleta de atividades físicas que mobilizou centenas de participantes em um parque da região.

Com a verba arrecadada pela venda de camisetas para o evento, foi possível concluir a reforma do espaço de eventos da instituição, entregue oficialmente no Dia dos Voluntários Telefônica 2016.

“Queríamos encerrar o nosso trabalho com chave de ouro, deixando um ambiente mais bonito e confortável para as crianças da instituição”, conta o ex-líder do Comitê de Voluntariado de Aracaju, Emerson Sales.

O trabalho em equipe deu resultado e as ações do comitê, finalizadas no ano passado, deixaram um verdadeiro legado para a instituição. Dentre as melhorias proporcionadas ao longo da parceria, destacam-se a construção de uma mini horta, as reformas na sala de TV, na sala de leitura e a compra de aparelhos novos para a sala de fisioterapia.

“Mais da metade das nossas crianças vêm do interior do Sergipe, Bahia e Alagoas e muitas moram em casas com vários irmãos, sem quase nada. Nosso ambiente acaba sendo mais acolhedor do que um hospital e por isso, quando elas chegam aqui, não querem mais sair”, conta Wilson Melo, presidente executivo da Avosos.

Projeto “Casinha feliz”

Além das intervenções que deixaram os ambientes mais agradáveis aos pacientes, a Avosos ganhou um presente especial em 2016. O projeto Casinha Feliz, que há mais de 20 anos realiza reformas nos lares das crianças e jovens atendidos pela instituição, foi a iniciativa mais votada no Game do Bem, plataforma online e colaborativa que promove o exercício da cidadania entre os colaboradores da Fundação Telefônica Vivo.

O valor arrecadado com o prêmio permitiu a reforma de quatro casas e proporcionou uma melhor qualidade de vida aos pacientes em tratamento na instituição.

Para o presidente da Avosos, a união com a Fundação Telefônica Vivo no Dia dos Voluntários fortaleceu ainda mais um trabalho pautado pela importância de pensar no próximo. “Conseguimos impactar positivamente e fazer jus à nossa missão de amenizar qualquer tipo de sofrimento, porque a ajuda que oferecemos não é apenas no sentido físico, mas também emocional”.

Hoje, a Avosos conta com uma equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiros, auxiliares, psicólogos, dentistas, fisioterapeutas, nutricionistas e assistentes de serviço social. Ao todo, são 148 voluntários e 75 funcionários que se revezam nos cuidados com os pacientes em todas as fases das doenças.

  • Parquinho paras as crianças ganhou nova cara após o Dia dos Voluntários.
    Parquinho paras as crianças ganhou nova cara após o Dia dos Voluntários.
  • A Avosos conta com uma casa de apoio e um centro de tratamento oncológico de mais de 500 m².
    A Avosos conta com uma casa de apoio e um centro de tratamento oncológico de mais de 500 m².
  • Em 2013, a Avosos foi selecionada para participar do Dia dos Voluntários da Fundação Telefônica Vivo.
    Em 2013, a Avosos foi selecionada para participar do Dia dos Voluntários da Fundação Telefônica Vivo.
  • Durante quatro anos de parceria, as ações promovidas pelo comitê voluntariado contribuíram diretamente com arrecadação de fundos para a ONG e melhorias no espaço, que hoje atende cerca de 400 crianças e jovens por ano.
    Durante quatro anos de parceria, as ações promovidas pelo comitê voluntariado contribuíram diretamente com arrecadação de fundos para a ONG e melhorias no espaço, que hoje atende cerca de 400 crianças e jovens por ano.

Leia também:



Deixe uma resposta aqui