O que podemos esperar dos profissionais e das profissões do futuro?

14 de julho de 2017
Imagem mostra um drone

Conheça as profissões mais promissoras para os próximos anos e saiba o que esperar para o mercado de trabalho

As relações profissionais estão mudando e o futuro do trabalho é um território que aos poucos estamos conhecendo. Profissões que temos hoje podem desaparecer, uma vez que o avanço da tecnologia já permite que máquinas executem mais e mais tarefas. Porém, a boa notícia é que, justamente por essa transformação e trocas de funções, o futuro aponta para nossos jovens de hoje caminhos, possibilidades e habilidades profissionais completamente novas.

De acordo com Raphael Falcão, diretor da Hays Response e Hays Experts (empresa global de recrutamento e seleção) o tema ainda é fruto de estudos frequentes, mas já é possível afirmar que a maioria das profissões do futuro passará inevitavelmente por um cenário em que habilidades e competências do século XXI como criatividade, inovação e capacidade de interpretação serão cada vez mais valorizadas.

Já que o assunto é profissões do futuro, que valorizam cada vez criatividade e inovação, nada melhor que falarmos disso no Dia Mundial das Habilidades dos Jovens, comemorado em 15 de julho. A data foi firmada pela ONU em 2015, ano em que foi estabelecida a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Assim, o Dia Mundial das Habilidades dos Jovens estabelece que investir no desenvolvimento das habilidades de jovens pode ajudar a construir um futuro mais justo e sustentável para todos e significa uma das decisões mais importantes que qualquer país pode tomar.

“Hoje há uma nova percepção em que questões técnicas, formação acadêmica e trajetória profissional são tão importantes quanto saber a motivação e os objetivos de vida de cada um. Logo, é fundamental considerar não apenas se o profissional irá conseguir se adequar à cultura de empresa, mas se aquela companhia fará sentido para ele também” exemplifica o especialista.

Lucas Schlosinski
Lucas Schlosinski

Aos jovens que entrarão em breve no mercado de trabalho, o executivo destaca a importância de não se deixar levar apenas por áreas promissoras sem considerar os interesses pessoais.

“O ideal é escolher uma profissão não como uma tendência mercadológica, mas como uma aptidão dentro das áreas que lhe interessam. As pessoas mais bem sucedidas não foram aquelas que procuraram as profissões do momento, mas as que eram apaixonadas pelo que faziam”, afirma Raphael.

O designer Lucas Schlosinski, 31 anos, é um exemplo desta categoria de profissionais. Professor de modelagem 3D e desenho digital em um Fab Lab em São Paulo, a construção e pilotagem de drones já fazia parte do seu dia a dia, antes mesmo dele imaginar que a área é considerada uma das profissões do futuro pelos especialistas. Encantado pelo universo do voar, começou a se aprofundar no tema por conta própria, após conhecer um espanhol que propunha a construção de drones de baixo custo.

“Sempre pensei no meu trabalho como um caminho para facilitar o acesso a ferramentas e recursos tecnológicos para qualquer pessoa. O drone para mim é uma ferramenta que vai muito além da operação e manuseio, pois desperta nas crianças e jovens um interesse que produzirá novos conhecimentos e habilidades”, afirma o professor.

tulio
Tulio Custódio

Nova profissão

No caso do sociólogo, Tulio Custódio 32 anos, a profissão que ele exerce hoje, como curador de conhecimento, não existia e foi criada em 2010 pela empresa Inesplorato em que ele trabalha há oito anos. Tulio conta que a ideia de existir uma empresa e a profissão de consultoria de conhecimento surgiu para responder a um anseio ainda atual nas pessoas que precisam lidar com uma grande quantidade de estímulos e informações no ambiente online e offline.

“Partindo da premissa que o conhecimento é essencial para tomarmos decisões em nossas vidas, entendemos que o excesso de informações torna-se um obstáculo para as pessoas se conectarem com o que de fato é relevante para a vida dela. Nosso papel é fazer esta seleção de conhecimento a partir de quem a pessoa é, ajudando-a a encurtar o tempo e a distância até as informações”, explica o sociólogo.

O processo de curadoria passar por uma etapa essencial de diagnóstico e entrevistas e conta com uma metodologia própria de trabalho, relacionada diretamente ao potencial de transformação do desconhecido. Para os interessados em saber mais sobre a profissão, Tulio garante que o trabalho está muito mais ligado a habilidades pessoais do que competências relacionadas a uma única área de conhecimento.

“Aqui temos profissionais como jornalistas, designers, economistas e publicitários, uma vez que a variedade de perfis agrega ao nosso repertório como curadores. A essência do trabalho tem mais a ver com características como curiosidade, formas de buscar conhecimento e capacidade de personalização nos formatos e entrega do que a uma profissão específica e essa é a grande riqueza do nosso trabalho”, conclui o sociólogo.

Conheça algumas profissões que ganharão força nos próximos anos: Gestor de resíduos: profissional responsável por direcionar corretamente os resíduos e transformá-los em fonte de renda. Conselheiro de aposentadoria: responsável por ajudar a planejar a aposentadoria do ponto de vista financeiro, e da saúde, além de fazer o planejamento de uma segunda carreira, já que a expectativa de vida da população está aumentando. Gestor de sustentabilidade/ecorrelações: profissional que reúne conhecimento técnico ambiental (engenharia ambiental), de legislação do tema (direito ambiental) e comunicação para relacionar-se com diversos públicos. Engenharia (civil, ambiental, petróleo e gás): os investimentos na infraestrutura devem continuar no país, o que torna os engenheiros civis profissionais de destaque nos próximos anos. Já a busca por técnicas mais eficientes de extração é um dos motivos que engenheiros sejam cada vez mais necessários no setor de energia, que também continua em crescimento. Gestor de inovação: a figura ganha força nas empresas como um profissional capaz de integrar a inovação em diversas áreas, buscando novas formas de fazer as coisas, promovendo redução de custos e tornando processos mais eficientes. Gestor de big data: o profissional deve entender a questão técnica de armazenagem de dados e também identificar e analisar o conteúdo das informações, direcionando para diferentes departamentos da empresa para ajudá-las a lidar com o grande volume de informações que hoje circula pela internet. Condutor/piloto de drone: a demanda por drones é imensae vai desde entregas na área de varejo, monitoramento e segurança, até a utilização em guerras. Sua extensa possibilidade de realizar inúmeras tarefas tende a crescer cada vez mais. Bioinformacionista: profissionais/cientistas que saibam mesclar a informação genética e a elaboração de remédios fazendo a ponte entre técnica clínicas e desenvolvimento de medicamentos. Gestor de marketing e-commerce: a profissão já existe, mas tende a crescer devido às dificuldades de deslocamento em grandes cidades e ao aumento do número de compras via internet, aliados ao maior investimento em segurança nas transações comerciais online. Profissional 3D: especialista que consegue fabricar de roupa a alimentos, medicamentos ou peças de decoração, através de modelos tridimensionais, além de estar ligado a área de animação e indústria cinematográfica. É um mercado em forte expansão no país que ainda precisa de profissionais capacitados. Técnico em Telemedicina: profissional que oferece diagnóstico e tratamento a pacientes por acesso remoto. Responsável por dar suporte aos profissionais de saúde que fazem uso de videoconferências, montar os equipamentos de vídeo, áudio, internet, assim como dar um treinamento básico para os profissionais de saúde que ainda não estão familiarizados com essas novas ferramentas.



Deixe uma resposta aqui